A família e o projeto salvífico de Deus

A família sempre esteve envolvida no Projeto Salvífico de Deus. Com efeito, quando Deus decidiu enviar ao mundo um Salvador, um Redentor, quis que Ele nascesse de uma Mulher. E essa Mulher seria preparada por Deus, de maneira a poder exercer, dignamente, a missão de Mãe do Salvador da Humanidade.

A família escolhida foi a família de Joaquim e Ana, descendentes de famílias nobres, nobreza de condições e de sangue, nobreza de corpo e de alma. Joaquim era natural de Nazaré, da família de David e Ana era filha de Nathan, sacerdote de Belém, da tribo de Leví e da família de Aarão e de Maria, da tribo de Judá. Nathan e Maria, pais de Ana, tiveram três filhas: Maria, a mais velha, esposa de Cléofas; Sobeth, a segunda, mãe de Santa Isabel e Ana, a terceira. E foi a Ana, esposa de Joaquim, que Deus concedeu a graça de dar ao mundo aquela que deveria ser a Mãe do Salvador.

Se as duas irmãs de Ana, Maria e Sobeth, tiveram filhos santos, pois São Tiago, São Judas e São Simão eram filhos da Maria e Santa Isabel era filha de Sobeth, à Ana coube um privilégio ainda maior: dar à luz a Santíssima Virgem Maria, Mãe do Filho de Deus. O casal Joaquim e Ana passava pela humilhação de não ter filhos, pois Ana era estéril. O casal suplicava, ardentemente, ao Senhor que, se fosse de Sua Vontade, se dignasse olhar, com olhar de misericórdia, a sua extrema aflição. E, na prece, prometem a Deus que, se lhes fosse concedida a graça de ter um filho, haveria de consagrá-lo a Deus.

Deus ouviu as preces daquele casal santo, dando-lhe uma filha, concebida sem a mancha do pecado original por graça do Espírito Santo, em vista da sublime missão que lhe estava reservada de ser a Mãe do Salvador, a Mãe do Filho de Deus. E o Verbo se fez carne e habitou no meio de nós. A vida de Santana, como a vida de sua filha Maria Santíssima, devia ser uma vida de contínua contemplação, prelibação das alegrias celestes.

Ainda hoje, os planos de Deus se realizam, através da família, cabendo aos pais cristãos gerar e educar filhos que possam assumir no mundo, através do testemunho de vida, a sua missão evangelizadora, a missão de anunciar a Boa Nova, de anunciar a alegria do reino de Deus, Reino de amor, de justiça e de paz.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *