JOVENS REFLETEM ESPIRITUALIDADE LIBERTADORA DURANTE EFAE

Celebrações ajudaram jovens a vivenciar a identidade e espiritualidade da PJ

Mais de 55 jovens da Pastoral da Juventude participaram do Encontro de Formação Afetiva Espiritual (EFAE), de 6 a 8 de abril, no Centro de Pastoral Santíssima Trindade, em Oliveira/MG. A atividade teve como lema: “Espiritualidade Libertadora: o sagrado habita em nós”; e a iluminação bíblica: “O Espírito do Senhor está sobre mim, enviou-me para proclamar a libertação!” (cf Lc 4,18).

Quem falou sobre o tema aos jovens foi o ex assessor diocesano da PJ e pároco da Paróquia de São Tiago Maior e Sant’Ana, de São Tiago/MG, Pe. Sebastião Correia. Ele explicou que pensar uma Espiritualidade Libertadora não é algo novo e nenhuma invenção de qualquer teólogo. “Tudo que bebemos sobre o tema está no Evangelho”, destacou. Para ele, rezar a vida a partir da realidade que se pisa é uma forma de comprometer-se com os irmãos das periferias existenciais e repetir os gestos de Jesus, que Ele reforça quando lê o livro do profeta Isaías na sinagoga – trecho escolhido como iluminação para o encontro. O presbítero ainda contou as experiências diárias em perceber as dificuldades do povo em conquistar os direitos mais básicos e salientou que somente uma ação em conjunto é capaz de mudar a realidade e fazer o Reino de Deus acontecer. O teólogo Sandson Rotterdan, que já integrou a equipe diocesana da PJ, lembrou de sua experiência na cidade de Santo Antônio do Amparo, quando realizou trabalhos pastorais em uma área de periferia. “O bairro São Judas – um dos mais pobres da cidade – me ajudou a perceber as dores do povo e a repensar minha fé. Ali eu fui muito feliz”, recordou. Rotterdan acrescentou que viver uma fé comprometida é fazer a experiência de encontrar o Ressuscitado na vida do povo, em suas dores e alegrias.

Virgínia Borges fala sobre o Papa Francisco ao lado de Guto Godoy

Para ajudar na compreensão de como viver uma fé que liberta, o artista sacro, Guto Godoy, e a assistente social, Virgínia Borges, falaram sobre o Papa Francisco e seu magistério. Eles escolheram alguns temas principais, como a relação do pontíficie com as mulheres, a pedagogia dos chamados três “tês” – terra, teto e trabalho -, e a perspectiva de uma Igreja em Saída. Virgínia chamou a atenção para a necessidade da PJ abrir seu olhar para as injustiças sociais, iluminada pelo chamado do Evangelho. Ela aproveitou para mostrar vídeos sobre a luta por moradia e os problemas causados pela especulação imobiliária.

Tantos assuntos despertaram a curiosidade dos participantes, que partilharam situações sobre suas vivências pastorais, além de questionamentos. O jovem João Gabriel Rufino, do grupo “Semeadores do Amor”, da Paróquia de Santo Antônio de Pádua, em Santo Antônio do Amparo/MG, afirmou que o EFAE foi uma experiência muito rica e que levará seu aprendizado para os outros jovens. “Em outra visão, Espiritualidade Libertadora consiste em libertar os oprimidos, os desfavorecidos, espalhar o Evangelho e aumentar a corrente que liberta as outras correntes. É construir uma utopia, onde ninguém seja menosprezado e o amor seja a base de tudo”, ressaltou.

A temática também surpreendeu Maiby Peres, da Paróquia São Sebastião, de Oliveira/MG, que afirmou que o EFAE a ajudou a compreender melhor a forma de trabalhar da PJ. “O encontro me fez abrir o pensamento sobre a espiritualidade da PJ e a perceber isso no jeito de ser e de agir”, reforçou.

Além dos bate papos sobre o tema principal, o EFAE contou com a presença do assessor eclesiástico da PJ, Pe. Josalan Augusto Silva, que presidiu a Eucaristia celebrada pelos jovens. O grupo ainda vivenciou outras experiências celebrativas e orantes. Na noite de sábado (7) foi realizada uma celebração dos mártires da caminhada e, na manhã de domingo (8), uma celebração pascal como encerramento da atividade. Ao fim, a equipe de trabalho oferou aos participantes o anel de tucum, que representa o compromisso com as causas dos pobres e reflete a adesão à vivência radical do Evangelho.

Anel de Tucum simboliza compromisso dos participantes com a causa dos pobres

Um dos coordenadores da atividade, André Dantas, explicou que a construção metodológica do encontro proporcionou a oportunidade de trazer para o centro do trabalho da PJ diocesana o eixo da espiritualidade – prioridade do ano de 2018 segundo o plano pastoral “Jovens em saída: construindo a Civilização do Amor”. Ele, junto com o seminarista Gutierrez de Lellis e do jovem Vinícius Borges, foi o responsável por liderar a equipe de trabalho na organização do encontro. “Considero que a vivência da Espiritualidade Libertadora trazida pelo EFAE contribuirá para uma experiência de fé mais reflexiva, questionadora e, até mesmo, rebelde, que traduza a essência verdadeira do Evangelho. A partir desse encontro, espero e acredito que os jovens se inquietem mais e façam desses questionamentos uma força propulsora de mudanças nas realidades de cada um, de seus grupos de base, de suas comunidades, de seu meio social e eclesial. Para a PJ diocesana, espero que o EFAE seja um pedido de alerta, para uma vivência cada vez mais voltada para a identidade da Pastoral da Juventude e que possamos trilhar caminhos mais ousados em nossos projetos, visando sempre o protagonismo juvenil e a construção da tão sonhada Civilização do Amor!”, refletiu.

OFICINAS TRABALHAM AFETIVIDADE E SEXUALIDADE

            A conexão da dimensão espiritual com a afetividade foi trabalhada em todo o caminho metodológico do encontro. Para isso foram oferecidas quatro oficinas temáticas, além da reflexão da narrativa do Evangelho com a história da mulher que enxuga os pés de Jesus com seus cabelos, após perfumá-los (Lc 7, 36-50). Para a coordenação, a ideia foi valorizar a corporeidade como manifestação do sagrado, das relações humanas e da vivência plena do amor.

Oficinas abordaram aspectos relativos à sexualidade

A Oficina “Campanha Nacional de enfrentamento aos ciclos de violência contra a mulher” teve como facilitadoras as jovens Laura Carvalho, Luiza Pires e Rafaela Oliveira. A oficina intitulada “A sacralidade da dimensão afetiva e sexual” teve como facilitador o ex assessor diocesano da PJ e pároco da Paróquia de São João Batista, em Morro do Ferro/MG, Pe. Jailson Salvador. A oficina “Os sentidos e a corporeidade à serviço de uma vivência integral” teve a contribuição do assessor do Instituto de Pastoral da Juventude do Leste 2 (IPJ), Alessandro Seara. Já a oficina “Autoconhecimento e os caminhos da descoberta de si” teve a condução dos jovens André Dantas e Raquel Severino

Um dos destaques do EFAE foi o lançamento da “Campanha Nacional de enfrentamento aos ciclos de violência contra a mulher” na Diocese de Oliveira. Através da oficina, foi possível trabalhar os eixos principais da ação e, segundo as facilitadoras, sonhar com novas atividades a respeito do tema. Para Rafaela Rodrigues, é papel da PJ pautar a campanha e criar espaços de diálogo e desconstruções. “A Pastoral da Juventude, como uma pastoral social, tem entre suas causas a luta pelos pobres, desfavorecidos e invisíveis. Logo, ela tem um compromisso especial com as mulheres, as quais são, muitas das vezes, invisíveis. Tais mulheres que, dentro da PJ, vão criando seu espaço de vez, voz e lugar. Ao abrir esse espaço de discussão sobre o enfrentamento a violência contra as mulheres é uma oportunidade p

Ao centro, Rafaela fala sobre os ciclos de violência contra a mulher junto das companheiras Laura Carvalho e Luiza Pires

ara, além de mostrar os rostos das mulheres pejoteiras, também denunciar. A PJ é uma grande porta para denúncia, fala das mulheres e também para construção de novas masculinidades”, refletiu.

As oficinas apresentaram, no domingo (8), o resultado das vivências por meio de dinâmicas, apresentações e momentos orantes feitos pelos próprios participantes.

ATIVIDADES PEJOTEIRAS

            A Pastoral da Juventude tem como próxima atividade a nível diocesano o Encontro de Iniciantes, programado para 17 a 19 de agosto, também no Centro de Pastoral Santíssima Trindade, em Oliveira/MG. A atividade, que é realizada há mais de 10 anos, trabalha as dimensões da formação integral para jovens que estão iniciando suas caminhadas nos grupos de base.

O EFAE foi uma proposta criada pela PJ em 2010 com o objetivo de oferecer uma experiência profunda de reflexão da espiritualidade e da afetividade para lideranças em processo de amadurecimento na caminhada missionária. Depois de ter ficado fora da agenda de ações em 2017, o encontro voltou ao quadro de 2018, especialmente pelo destaque do tema da espiritualidade no Plano de Pastoral.

Texto: Vinícius Borges
Fotos: Vinícius Borges, Luiza Pires, Fernanda Viana e Rafaela Rodrigues

Confira algumas das principais imagens do EFAE:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *