Páscoa cotidiana

A cada ano celebramos solenemente a Páscoa do Senhor. Paixão Morte, Ressurreição, Ascensão e Pentecostes. Estas solenidades circunscrevem o tempo litúrgico da Páscoa.  A Páscoa do Senhor é o centro de toda a vida cristã e é celebrada diariamente pela Eucaristia em toda a terra como sacrifício perpétuo de ação de graças. Por ela a Igreja com Cristo se oferece ao Pai na renovação incruenta da oferta da Última Ceia e do Calvário. Assim se realiza a cotidiana Páscoa de Cristo que se dá como alimento de caminhada e salvação aos seus amigos. A cada ano celebramos solenemente a Páscoa do Senhor. Paixão Morte, Ressurreição, Ascensão e Pentecostes. Estas solenidades circunscrevem o tempo litúrgico da Páscoa.  A Páscoa do Senhor é o centro de toda a vida cristã e é celebrada diariamente pela Eucaristia em toda a terra como sacrifício perpétuo de ação de graças. Por ela a Igreja com Cristo se oferece ao Pai na renovação incruenta da oferta da Última Ceia e do Calvário. Assim se realiza a cotidiana Páscoa de Cristo que se dá como alimento de caminhada e salvação aos seus amigos.

Para o sacerdote a celebração cotidiana é alimento de seu ministério e para os todos os fiéis, alimento de sua vida, pois nossa vida está escondida com Cristo em Deus. Jesus, pão da vida eterna, é nosso caminho por onde andar, a verdade que devemos abraçar e a vida que devemos viver. Pela eucaristia se alimenta a graça do batismo que nos fez filhos de Deus e nossa vida de ressuscitados. Deste modo, devemos sim, nos esforçar cada dia em participar bem da celebração eucarística onde o Senhor nos apresenta suas duas mesas, a da Palavra e a do seu Corpo e Sangue. Se não estamos em condições de participar da mesa do Pão, a mesa da Palavra será sempre caminho de santificação. Afinal a igreja não é sociedade de perfeitos, mas de discípulos de Cristo que se colocam em seu caminho em busca da perfeição, onde santos e pecadores nos misturamos como o trigo e o joio da parábola até que se realize o juízo e a separação final. Com uma certeza, porém: pela Misericórdia de Deus, enquanto vivermos, nesta vida o joio ainda poderá se fazer bom trigo, embora o trigo também possa se corromper. Que Deus nos dê a graça de nos tornarmos bom trigo de Deus!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *